O que é um Churrasco? (Escrito por uma mulher)

29 de setembro de 2010 Deixe um comentário

O churrasco é a única coisa que um homem sabe cozinhar,
e quando um homem se propõe a realizá-lo, ocorre a seguinte cadeia de acontecimentos:

01 – A mulher vai ao supermercado comprar o que é necessário.

02 – A mulher prepara a salada, arroz, farofa, vinagrete e a sobremesa

03 – A mulher tempera a carne e a coloca numa bandeja com os talheres necessários, enquanto o homem está deitado próximo à churrasqueira, bebendo uma cerveja.

04 – O homem coloca a carne no fogo.

05 – A mulher vai para dentro de casa para preparar a mesa e verificar o cozimento dos legumes.

06 – A mulher diz ao marido que a carne está queimando.

07 – O homem tira a carne do fogo.

08 – A mulher arranja os pratos e os põe na mesa.

09 – Após a refeição, a mulher traz a sobremesa e lava a louça.

10 – O homem pergunta à mulher se ela apreciou não ter que cozinhar e, diante do ar aborrecido da mulher, conclui que elas nunca estão satisfeitas….

DIREITO DE RESPOSTA (Escrito por um homem)

01 – Nenhum churrasqueiro, em sã consciência, iria pedir à mulher para fazer as compras para um churrasco, pois ela iria trazer cerveja Kaiser, um monte de bifes, asas de frango e uma peça de picanha de 4,8 Kg que o açougueiro disse ser ‘Ótima’, pois não conseguiu empurrar para nenhum homem.

02 – Salada, arroz, farofa, vinagrete e a sobremesa, ela prepara só para as mulheres comerem. Homem só come carne e toma cerveja.

03 – Bandeja com talheres? Só se for para elas. Homem que é homem come churrasco como tira-gosto e belisca com a mão, oras!.

04 – Colocar a carne no fogo??? Tá louca??? A carne tem que ir para a grelha ou para um espeto que, a propósito, tem que ser virado a toda hora.

05 – Legumes??? Como eu já disse, só as mulheres comem isso num churrasco.

06 – Carne queimando??? O homem só deixa a carne queimar quando a mulherada reclama: ‘Não gosto de carne sangrando’; ‘Isto está muito cru’; ‘tá viva??’. Após a décima vez que você oferece o mesmo pedaço que estava ao ponto uma hora antes, elas acabam comendo a carne tão macia quanto o espeto e tão suculenta quanto um pedaço de carvão.

07 – Pratos? Só se for para elas mesmas!

08 – Sobremesa? Só se for mais uma Skol.

09 – Lavar louça? Só usei meus dedos!!! (e limpei na bermuda). Realmente, as mulheres nunca vão entender o que é um churrasco!!!

Categorias:Humor

Você reclama da vida?

24 de setembro de 2010 Deixe um comentário

Você reclama da vida?

Veja esse video, acredito que irá te ajudar a entender o que é ter problemas na vida.

Categorias:Vale a pena

Knocking Live Video

24 de setembro de 2010 Deixe um comentário

Para quem gosta de celular, tem plano de dados e procura como passar o tempo segue uma dica.

O Knocking Live Video é um aplicativo disponivel para Iphone e Android que permite transmitir videos ao vivo, isso mesmo som e imagem ao vivo. Basta ter um plano de dado e um amigo online. O aplicativo exige um cadastro (simples) mas vale a pena.

Categorias:iPhone, Notícias, Tecnologia

História da marca Intel

5 de setembro de 2009 Deixe um comentário

 

Dizem que é impossível viver sem computadores atualmente. Que o mundo pararia sem eles. E o “coração” que faz, a grande maioria dessas máquinas funcionarem, vem com cinco letras impressas: INTEL. Eles são os superpoderosos microprocessadores, que tornam nossas vidas mais rápidas, simples e fáceis.

A história
A idéia surgiu das brilhantes mentes de Robert Noyce, físico e co-inventor do circuito integrado, e Gordon E. Moore, químico e físico. Eles queriam fundar uma empresa que desenvolvesse módulos de memória para computadores baseados na tecnologia dos semicondutores. Como não tinham dinheiro suficiente, se aproximaram do investidor Arthur Rock, que viria a se tornar o primeiro presidente da empresa, para conseguir um empréstimo. Conseguido um empréstimo de US$ 3 milhões, a empresa foi fundada em 18 de julho de 1968 com o nome de N M Electronics (iniciais do sobrenome de seu fundadores), que pouco depois passou a chamar INTEL. A palavra, contração das iniciais de Integrated Electronics, foi escolhida depois de uma batalha jurídica com uma rede hoteleira que era detentora dos direitos de utilização do nome. A nova empresa contava com uma equipe de 12 cientistas, trabalhando em um prédio alugado na cidade de Mountain View, estado da Califórnia. No ano seguinte, iniciou um percurso espetacular de inovação e desenvolvimento de produtos, com a introdução do semicondutor denominado SRAM. Em 1970 criou o primeiro semicondutor de acesso dinâmico aleatório — DRAM —, que dois anos mais tarde, já era o semicondutor mais vendido do mundo. Um acontecimento definiria de vez o rumo da empresa. Os engenheiros da INTEL Ted Hoff, Federico Faggin, Stanley Mazor e Masatoshi Shima inventaram um tipo novo de circuito integrado: o microprocessador. Originalmente desenvolvido para a empresa japonesa Busicom com a finalidade de substituir o Asic’s da calculadora, o Intel 4004, um único chip com todas as partes básicas de um processador central, foi introduzido no mercado para produção em massa em 15 de novembro 1971.


Foi seguido pelo 8008, em 1972, entre outros modelos famosos. A partir daí surgem os microcomputadores. Em 1974 é lançado microprocessador 8080, que pode ser considerado o cérebro do primeiro computador pessoal – o Altair – sendo um sucesso de vendas. A luta para ser a primeira a lançar as novidades no mundo dos microprocessadores obrigou a INTEL a fortes investimentos, que a colocaram em uma situação financeira pouco confortável. Diante da ameaça de novos concorrentes, foram tomadas diversas decisões estratégicas, já durante a presidência de Andy Grove, que assumiu o cargo em 1979: redução dos preços dos microprocessadores em cerca de 35%; campanha de promoção agressiva para o microprocessador 486, um produto exclusivo da INTEL; aumento do investimento em pesquisa e desenvolvimento e, sobretudo, em publicidade. Apesar da situação incômoda, a INTEL alcançaria a liderança mundial de microprocessadores para computadores pessoais em 1992.


Outro fato marcante na história da empresa ocorreu em 1980, quando a International Business Machines Corporation (IBM) escolheu o processador Intel 8086 para equipar seus computadores pessoais que iriam ser lançados no mercado. Com a explosão de consumo por este tipo de máquina, a INTEL deu um grande salto em relação aos seus principais concorrentes. Nesta época a empresa contava com 15 mil funcionários e, finalmente em 1983, atingiu a marca de US$ 1 bilhão em faturamento. Deste momento em diante a INTEL iniciaria uma fase gloriosa, lançando inovações e produtos que redefiniriam o mercado de informática. Durante os anos 1990, os Laboratórios da Arquitetura Intel (Intel Architecture Labs) eram responsáveis por muitas das inovações da estrutura do computador pessoal, incluindo o barramento PCI, o barramento PCI express (PCIe), o barramento serial universal (Universal Serial Bus – USB), e a arquitetura agora dominante para usuários de multiprocessadores. Em 2006, a Apple anunciou o lançamento do primeiro iMac durante o Macworld Expo, equipado com processador da INTEL. Esta parceria foi considerada histórica, pois durante muitos anos as empresas foram rivais. No entanto, a Apple optou pela mudança quando seus outros fornecedores IBM e Motorola fracassaram na oferta de processadores mais velozes.


A linha do tempo
1985

Lançamento do microprocessador Intel 386, que possuía 275 mil transistores, um chip de 32 bits e podia rodar vários programas ao mesmo tempo.
1989
Lançamento do microprocessador Intel 486, que além da maior velocidade de processamento não trouxe nenhuma grande inovação.
1993
Introdução do primeiro processador Pentium, considerado revolucionário, pois permitia que o computador incorporasse mais facilmente som e imagem, tendo capacidade de executar 100 milhões de instruções por segundo. A nomeação dos microprocessadores INTEL por números (286, 386, 486) começou a ser usada por empresas concorrentes. Para evitar isso a INTEL designou seu novo microprocessador, que deveria ser o 80586, por PENTIUM, que em latim significa 5, em referência a 80586.
1994
Introdução do Pentium MMX, sucessor do Pentium, com alguns novos recursos acrescentados a ele. Dispunha de hardware e software especiais para programas gráficos e comunicação, incluindo 57 novas instruções, o que aumentava o desempenho em aplicações como jogos e multimídia.
1995
Introdução do primeiro processador Pentium Pro, que usava o soquete 8 e exigia uma placa mãe especifica. Para uso doméstico não faria muito sentido o uso deste processador, porém num servidor de rede o cache L2 funcionando na mesma velocidade do processador fazia muita diferença.
1997
Lançamento em maio do Pentium II, que ao contrário do que poderia se imaginar, rodando o Windows 95 não apresentava um desempenho muito superior a um MMX, cerca de 20 ou 30% superior apenas, proporcionado em sua maioria pelo cache mais rápido.
1998
Introdução no mercado do Intel Celeron, um Pentium II de baixo custo. Hardware e software especiais permitiam o uso extremamente controlado de energia, tornando-o adequado para microcomputadores portáteis.
1999
O Pentium III chegou ao mercado para otimizar a experiência de navegação na Internet, aumentando a qualidade de áudio, vídeo e navegação 3D.
2000
Lançamento do Pentium 4, a sétima geração de microprocessadores com arquitetura x86, que se tornou um dos produtos de maior sucesso da empresa.
2001
Introdução no mercado do Intel Itanium, voltado para servidores, os computadores principais das redes corporativas.
2003
Introdução do Intel Centrino, um microprocessador especificamente desenvolvido para computadores portáteis.
2006
Lançamento do Intel Core Duo, um processador da nova geração desenvolvido utilizando a tecnologia Napa, sendo composto por dois processadores em um só chip de silício. Este processador, considerado o sucessor do Pentium 4, possui um grande desempenho em jogos e aplicações populares. A chegada do Core 2 significou a substituição da marca Pentium, que estava sendo usada pela desde
1993.
Ainda neste ano apresentou a tecnologia para entretenimento Intel Viiv, que permite baixar, armazenar, assistir, gerenciar e compartilhar todos os tipos de entretenimento digital e informações em uma ampla gama de dispositivos, tais como TV, PC, laptops e PDAs.


O museu
O museu da empresa (INTEL MUSEUM) está localizado dentro da enorme sede mundial da INTEL (localizada no endereço 2200 Mission Blvd) na cidade de Santa Clara, estado da Califórnia. No museu (localizado no prédio principal do complexo) com entrada franca o visitante poderá conhecer, com o auxílio de uma monitora, a história da empresa, a empreitada de Moore e Noyce, e outras coisas bem interessantes como a tecnologia empregada nos produtos INTEL, fatos curiosos sobre propagandas feitas ao longo da história e informações sobre a evolução dos logotipos. A empresa tem montada uma incrível infra-estrutura para reuniões e visitas, com uma espécie de show-room, com diversos dispositivos que usam chips, e seis salas completamente equipadas para reuniões e vídeo conferências, com espaço para café da manhã, almoço e café. Uma das coisas interessantes do museu é a revista original de 1965, onde foi publicado o artigo de autoria de Gordon Moore (um dos fundadores da empresa) afirmando que o poder computacional dos microprocessadores iria dobrar a cada 18 meses. Esta previsão vem se confirmando há 41 anos e é conhecida como a Lei de Moore. Quem não pode ir até o museu tem pela Internet acesso ao museu virtual, que entre outras informações (em inglês), apresenta em animação Shockwave e em páginas hipertexto uma seqüência de imagens, demonstrando o funcionamento passo a passo de um microprocessador.


A evolução visual
Pela primeira vez em sua história, no ano de 2006 a INTEL passou por uma reformulação visual em seu logotipo. A mudança do logotipo e do slogan marcou a transição da imagem de simples fabricante de chips para uma atuação mais ampla no mercado de consumo. O logotipo original (conhecido como “dropped-e”), com a letra “e” em plano inferior, foi substituído por um símbolo de formato oval em torno do nome da empresa. O antigo slogan, utilizado desde 1991, foi substituído por “Leap ahead”, ou “Um passo à frente”, na tradução livre em português, passando a ser parte integrante do logotipo.


Campanhas que fizeram história
No ano de 1992 lançou o famoso comercial, marcado pela música inconfundível de reconhecimento da marca, produzido pelo mestre dos efeitos especiais George Lucas. O nome da música era Alright da banda Supergrass. A INTEL também ficou conhecida mundialmente por seus personagens, um trio de cabeças azuis (conhecidos como Homens Azuis), estrelados pelos artistas performáticos do The Blue Man Group, formado por Phil Stanton, Chris Wink e Matt Goldman, figuras carimbadas nos comerciais dos produtos Pentium feitos em 2000, que se tornaram extremamente populares, gerando enorme reconhecimento para a marca.


Os slogans
Apaixonados pelo Futuro. (Brasil)
Leap ahead. (2006)
Intel inside. (1993)
The Computer Inside. (década 80)

Dados corporativos
● Origem:
Estados Unidos
● Fundação:
18 de julho de 1968
● Fundador:
Robert Noyce e Gordon E. Moore
● Sede mundial: Santa Clara, California
● Proprietário da marca:
Intel Corporation
● Capital aberto:
Sim (1971)
● Chairman:
Craig Barrett
● CEO:
Paul Otellini
● Faturamento:
US$ 37.58 bilhões (2008)
● Lucro:
US$ 5.29 bilhões (2008)
● Valor de mercado:
US$ 103.6 bilhões (agosto/2009)
● Valor da marca: US$ 31.26 bilhões (2008)
● Presença global:
130 países
● Presença no Brasil:
Sim
● Funcionários: 86.300
● Segmento: Informática
● Principais produtos: Processadores, chips e memórias flash
● Ícones: A tradicional música de seus comerciais, o logotipo e o slogan “Intel inside”
● Slogan:
Leap ahead.
● Website:
www.intel.com

O valor
Segundo a consultoria britânica InterBrand, somente a marca INTEL está avaliada em US$ 31.26 bilhões, ocupando a posição de número 7 no ranking das marcas mais valiosas do mundo. A empresa também ocupa a posição de número 61 no ranking da revista FORTUNE 500 (empresas de maior faturamento no mercado americano).

A marca no mundo
A empresa tem cerca de 86 mil funcionários espalhados em 45 países ao redor do mundo com faturamento de US$ 37.5 bilhões. Atualmente detém 80% do mercado de microprocessadores do mundo. Cerca de 83.5% de suas vendas provêm dos produtos Pentium, Itanium e Celeron. A INTEL fabrica também chips para placa mãe (também conhecidos como chipsets) e memórias flash usadas em dispositivos como tocadores de MP3.

Você sabia?
De 2001 a 2005, a INTEL investiu mais de US$ 47 bilhões em pesquisa e desenvolvimento e em novas capacidades de produção. Tais investimentos diferenciam a empresa em seu segmento e representam os alicerces para o crescimento futuro.
A Microsoft costuma a referir-se a empresa como “WINTEL”, tamanho o sucesso de seus processadores.


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers).

História da marca DELL

5 de setembro de 2009 Deixe um comentário
Ela não inventou o computador, tão pouco criou softwares revolucionários, apenas soube vender de um modo inteligente, do jeito que o cliente quer. Na DELL que manda é você.

A história
Michael Dell fundou a empresa em 1984, então com 19 anos, enquanto ainda estudava medicina na Universidade do Texas na cidade de Austin. Com apenas US$ 1 mil, a empresa foi fundada com o nome de PC´s Limited. Sua idéia era vender computadores pessoais direto aos clientes, passando por cima dos canais de distribuição tradicionais: as lojas. Para dar o pontapé inicial da empresa, precisava conseguir máquinas a preços baixos. Entrou em uma loja de informática e comprou a prazo todo o estoque de computadores encalhados. Aí, pegou as máquinas, e dentro de seu dormitório na universidade, calibrou-as com discos rígidos maiores e programas mais recentes, e começou a vendê-las por telefone, com preços em média 20% inferiores aos da concorrência, através de anúncios colocados em revistas especializadas de informática. Nascia um conceito novo e simples de negócio: vender computadores pessoais diretamente ao consumidor, trabalhando com estoques mínimos, sem o uso dos canais tradicionais de distribuição. Desta forma, a empresa poderia detectar melhor a necessidade de seus clientes e oferecer soluções mais eficazes para satisfazê-los.
Com o sucesso da empresa, Michael Dell largou a faculdade para administrar seu negócio em tempo integral. Somente no primeiro ano, a empresa teve um faturamento de US$ 6 milhões. O sucesso foi tanto que Michael Dell começou a ser assediado para vender sua empresa. Em 1987, a PC´s Limited começou a operar também no Reino Unido. Nos quatro anos seguintes, espalhou suas operações por outros 11 países. Somente em 1988 a empresa adota o nome de Dell Computers. No ano de 1990, a empresa tentou vender seus produtos indiretamente através de supermercados e lojas de computadores como as redes CompUSA e Staples, porém o sucesso foi muito tímido e a DELL voltou o foco no seu bem sucedido modelo de vendas diretas ao consumidor.


Em 1993, ingressou de vez na chamada “Guerra dos computadores” ao baixar seus preços ainda mais e estender a garantia. Foram anos de uma obsessiva busca pela redução de custos, que resultou em uma empresa feita sob medida para a Internet – anos antes de ela existir. Quando, em 1995, a Internet explodiu, a DELL tinha a faca e o queijo na mão. Começou a vender on-line no ano seguinte. Em 1997 se tornou a primeira empresa a registrar um volume diário de vendas on-line no valor de US$ 1 milhão. Dois anos depois ultrapassou a Compaq e se tornou a maior vendedora de computadores pessoais do mercado americano. A empresa abriu sua fábrica em solo brasileiro na cidade de Eldorado do Sul no Rio Grande do Sul em novembro desse mesmo ano. A partir de 2004 expandiu seus produtos para multimídia e entretenimento com o lançamento de televisores, handhelds e jukeboxes digitais. Foi assim que Michael Dell, executivo-chefe há mais tempo no cargo na indústria de computadores, e que anunciou aos 18 anos de idade que bateria a IBM, se tornou o homem mais rico do mundo com menos de 40 anos de idade.

A linha do tempo
1985

A empresa fabrica seu primeiro computador com design próprio, o Turbo PC, equipado com processador Intel 8088 com a velocidade de 8MHz.
1991
Introduz o primeiro laptop da marca, disponível em várias cores.
1994
Lançamento do Latitude, laptop que possuía a bateria mais durável do mercado na época.
1996
Introduz uma linha de servidores de rede (Power Edge).
1997
Introduz uma linha de workstations (estações de trabalho).
1999
Lança o suporte técnico on-line chamado “E-Support Direct from Dell”.
2002
Introduz quiosques de vendas (conhecidos como DELL Direct Stores) em centro de compras espalhados pelo estado do Texas. A enorme loja apresentava mais de 36 modelos de computadores e televisores. Rapidamente, este canal de venda se espalha, sendo adotado também em outros países como Austrália, Inglaterra, Cingapura e Hong King.
2003
Introduz uma linha de impressoras, expandindo sua gama de produtos.
2006
Inauguração de sua primeira loja própria em um centro de compra na cidade de Dallas. O principal objetivo era proporcionar aos clientes uma maior interação com os produtos da marca, permitindo assim que eles pudessem testar, tirar dúvidas com a equipe de vendas e efetuar a compra.


A sede
A sede mundial da poderosa DELL está localizada em Round Rock, cidade próxima a Austin, capital do estado do Texas. O Round Rock One, como é conhecido o prédio-sede da empresa, não lembra os chamados quartéis-generais despojados de outras empresas de tecnologia. Apesar da arquitetura moderna, as salas de Michael Dell e dos outros diretores parecem mais gabinetes de grandes corporações da velha guarda, guarnecidos por um sem-fim de secretárias.


Os slogans
Dude, you’re gettin’ a Dell!
It’s not just a deal, it’s a Dell!”
Easy as Dell.
Dell. Purely You.
Be Direct.

O gênio por trás da marca
Chamado de caubói dos computadores, Michael Saul Dell nasceu no dia 23 de fevereiro de 1965 na cidade de Houston, estado americano do Texas. Seu interesse por computadores começou muito cedo, desde quando tinha sete anos e comprou a primeira máquina de calcular. Apesar de nunca ter feito cursos de informática, era fascinado por micros. Seu primeiro computador foi um Apple II, que ele transportou para o quarto da casa em que morava com os pais, em Houston, e desmontou-a para “ver como funcionava”. Seus pais ficaram loucos da vida. Desembarcou em Austin vindo de Houston a bordo de um BMW branco, que comprou com o dinheiro que acumulara vendendo assinaturas de jornal, para cursar medicina em uma universidade. Começou a empresa no dormitório da faculdade, desmontando micros e adicionando componentes mais sofisticados para vendê-los com algum lucro. As aulas foram sendo postas de lado até serem excluídas da rotina de sua vida. Era o início de uma empresa de sucesso. Em 1992, tornou-se o mais jovem executivo a ter uma empresa na lista das 500 maiores americanas da revista Fortune. No início de 2007, depois da empresa registrar lucros menores que os esperados em 2006 e de perder a liderança mundial na área para a HP, ele decidiu reassumir a presidência executiva da DELL. Casado, pai de quatro filhos, vive em uma mansão nos arredores de Austin e tem enorme predileção por dirigir modelos esportivos da Mercedes-Benz. Não é conhecido pelo seu carisma nem visão. Apenas pelo seu grande jeito para os negócios. Segundo Michael “você não tem que ser um gênio ou um visionário para o fazer, basta acreditar no seu sonho e mergulhar intensamente no negócio”. Segundo a revista Forbes é o quarto homem mais rico dos Estados Unidos e o 12º do mundo, com uma fortuna avaliada em mais de US$ 17 bilhões.


Dados corporativos
● Origem:
Estados Unidos
● Fundação:
4 de novembro de 1984
● Fundador: Michael Dell
● Sede mundial:
Round Rock, Texas
● Proprietário da marca:
Dell Inc.
● Capital aberto: Sim (1988)

● Chairman & CEO:
Michael Dell
● CFO: Donald Carty
● Faturamento:
US$ 61.1 bilhões (2008)
● Lucro:
US$ 2.47 bilhões (2008)
● Valor de mercado: US$ 20.6 bilhões (abril/2009)
● Valor da marca: US$ 11.69 bilhões (2008)
● Lojas:
1 + 160 quiosques
● Fábricas:
9
● Presença global:
+ 100 países
● Presença no Brasil:
Sim (2 fábricas)
● Funcionários:
76.500
● Segmento:
Informática
● Principais produtos:
Computadores, notebooks, impressoras, monitores, servidores de redes e periféricos
● Ícones: Pioneirismo no comércio on-line
● Slogan:
Easy as Dell.
● Website:
www.dell.com

O valor
Segundo a consultoria britânica InterBrand, somente a marca DELL está avaliada em US$ 11.69 bilhões, ocupando a posição de número 32 no ranking das marcas mais valiosas do mundo. A empresa também ocupa a posição de número 34 no ranking da revista FORTUNE 500 (empresas de maior faturamento no mercado americano).

A marca no mundo
A DELL Computer, baseada na cidade texana de Round Rock, é líder mundial em venda direta de computadores, dominando 31% das vendas mundiais de computadores pessoais, tendo mais de 75 mil funcionários e atingindo faturamento de US$ 61.1 bilhões. Mais de 113.000 clientes corporativos e institucionais, no mundo inteiro, recorrem à página da empresa na Internet, para realizar negócios on-line. A DELL é a fabricante de sistemas de computadores que apresenta o maior crescimento da indústria, ocupando a primeira posição no ranking mundial das empresas do setor. A empresa vende mais de 10 milhões de computadores anualmente.

Você sabia?
A empresa vende em torno de US$ 60 milhões por dia via Internet. O website recebe 840 milhões de pedidos por trimestre, em seus 82 sites diferentes, escritos em 21 línguas e dialetos e utilizando 40 moedas para efetuar transações.


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers).

Usuários de iPhone adoram web e e-mail, mas odeiam a bateria do celular

4 de setembro de 2009 Deixe um comentário

 A consultoria Strategy Analytics divulgou uma pesquisa sobre as funções que os usuários mais gostam e as que menos gostam no iPhone. Segundo dados do estudo, as pessoas amam as funções de enviar e-mails e navegar na internet, mas reclamam da duração de bateria (a empresa não divulgou a porcentagem).

O objetivo da pesquisa é mostrar para futuros compradores do aparelho quais são os recursos preferidos pela maioria dos usuários que já possuem o telefone da Apple.

Paul Brown, analista da Strategy Analytics, afirma que dois terços dos proprietários do iPhone enviam mais e-mails e navegam mais na internet do que aqueles que não possuem um iPhone – funções que consomem muita bateria.

A vice-presidente da Strategy Analytics, Kevin Nolan, afirma que a Apple deve continuar com lançamentos de serviços inovadores, mas precisa se preocupar mais com o consumo de bateria de seu celular.

A Apple afirma ter melhorado a bateria com o lançamento do iPhone 3GS. De acordo com os dados apresentados pela empresa, o novo iPhone seria capaz de suportar nove horas no uso de internet Wi-Fi, 10 horas na reprodução de vídeo e 30 horas de música com uma única carga.

Muitos usuários reclamaram do consumo exagerado de bateria com a atualização do sistema 3.0. As notificações instantâneas seriam as responsáveis pelo problema.

Categorias:iPhone, Notícias, Tecnologia

Software que “transforma” iPhone em luva de boxe lidera entre brasileiros

4 de setembro de 2009 Deixe um comentário

Se você encontrar alguém com o iPhone ou o iPod touch socando o ar, não estranhe. Ele deve estar jogando Punch Machine, aplicativo gratuito que atualmente lidera a lista de downloads na App Store  (loja de aplicativos da Apple) brasileira. 

Lançado no dia 26 de agosto deste ano, Punch Machine é um programinha sem segredos, que pode ser considerado por muitos até sem graça. A brincadeira se resume a segurar o celular e dar um soco com a maior força possível.

Com a ajuda do acelerômetro do celular, o programa “calcula” a intensidade de seu movimento e atribui um número.  Os melhores resultados são incluidos em um ranking.  Fica uma dica: se for deixar seu iPhone na mão da criançada, cuidado para seu filho não se animar e acabar jogando o aparelho longe…

Fonte: http://macworldbrasil.uol.com.br/noticias/2009/09/03/software-que-transforma-iphone-em-201cluva-de-boxe201d-lidera-entre-brasileiros/

Categorias:iPhone, Notícias, Tecnologia